segunda-feira, 6 de junho de 2011


O tempo passa lentamente, na minha mente a ideia de te ver, te tocar, faz com que um sorriso aflore aos meus lábios, sorrio sozinha apenas contigo no pensamento.
A manhã chega finalmente ao fim, finalmente chegou a hora.
Espero-te ansiosa, mas tu não chegas, o nervoso e a angustia toma conta de mim, a espera é terrivel, meu pensamento voa, desististe, penso. E esse pensamento persiste... toca o telefone.
-Estou atrazado dizes, e o sorriso volta, o aperto no estomago persiste, mas o medo esse acaba, vens, e continuo á espera...
Finalmente, vejo-te, sorris e abraço-te.
Percorremos juntos a distancia para o nosso momento e sem pressas, sem pressões, ele chega...
Momento único aquele em que nossas bocas se tocaram, em que nossos corpos tremeram, e naquele beijo matamos a saudade do que ainda não tinhamos vivido.
Sei o teu gosto, sei de cor a tua boca, e volto a percorre-la de cada vez que fecho os olhos.
Sinto o teu corpo, e volto a senti-lo de cada vez que te sei a sentir-me.