sábado, 18 de outubro de 2008

Entardecer de Verão

Quando em tardes de verão entro no mar, nado, refresco o corpo e nas sua águas douradas do fim do dia, a calma e o silêncio envolvem-me e fico ali inebriada.
Numa dessas tardes, encontrei-te!
Esperavas-me na areia quente e ali me devoraste com os olhos. Fui até ti...
Toquei-te levemente... Deixaste que os meus dedos percorressem o teu corpo, agarrei em teu rosto e com loucura devorei essa boca, quente e molhada de desejo por mim, num beijo intenso e longo.
Ali na areia, na quietude do entardecer os nossos corpos uniram-se num abraço intenso, nossos sexos ávidos de desejo penetraram-se, e como loucos saciaram aquele tesão nascido do silêncio do pôr do sol.
Despertei e não te vi!
Procurei-te no horizonte e não te encontrei!
Foi sonho...
Será que foi sonho?
Será que sonhamos juntos um entardecer de verão...
Será...