sexta-feira, 27 de fevereiro de 2009

Finalmente


Sonhei-te no silencio da minha solidão quando não sabia que existias.
Inventei um prazer, um encontro, uma sintonia de almas. Uma melodia que apenas eu ouvia, que apenas em mim tocava, um fervilhar de emoções, a busca constante de algo supremo que apenas existe em nosso intimo.
Agora Sei-te.
Não preciso mais inventar-te.
Não preciso mais sonhar-te.
Vem...
Espero-te há uma eternidade.
Finalmente estás aqui...